Deputado Estadual Gustavo Valadares 45678

O calote que o governo de Fernando Pimentel está dando nos bancos que possuem convênio de crédito consignado com o Estado está afetando diretamente a vida do servidor público.

O calote que o governo de Fernando Pimentel está dando nos bancos que possuem convênio de crédito consignado com o Estado está afetando diretamente a vida do servidor público.

Além de ficar negativado, mesmo tendo as parcelas do empréstimo descontadas mensalmente de seus salários, os servidores estão com dificuldades de contrair novos empréstimos.

Para o líder da Minoria, deputado Gustavo Valadares (PSDB-MG) trata-se de uma situação inaceitável.

Como pode existir um governo tão irresponsável, um governo que atrasa o parcelamento dos salários de seus servidores a mais de 3 anos, que atrasa os repasses para as prefeituras e agora não repassa sequer o consignado que é descontado do servidor e que deveria ser automaticamente repassado às instituições financeiras credoras”, disse Valadares durante conversa com o Informativo “Ação Parlamentar”.

 

GOVERNO DE MINAS DÁ CALOTE EM MONTADORA DE VEÍCULOS

Mais um calote da gestão de Pimentel em Minas. Dados disponíveis no Portal da Transparência mostram que o Executivo ainda não pagou pelo menos R$ 700 milhões em veículos comprados em 2017 e 2018 para secretarias e órgãos estaduais. Com isso, o governo terá que devolver 323 veículos adquiridos em licitação, cujo contrato de R$ 24 milhões não foi pago. A decisão em caráter liminar foi dada pela 6ª Vara da Fazenda Pública de Belo Horizonte.

O calote nos contratos com concessionárias inclui ainda as 106 novas bases móveis comunitárias da Polícia Militar (PM), destinadas a inibir a criminalidade na região metropolitana de Belo Horizonte e em cidades do interior. Pimentel havia prometido que os veículos, um dos principais trunfos do governo petista, já estariam nas ruas nos próximos dias.

De acordo com o deputado Gustavo Valadares, durante entrevista ao Informativo “Ação Parlamentar” essa foi mais uma medida caloteira de Pimentel.

Tenho repetido ao longo desses quase 4 anos de desgoverno petista, que além de não pagarem os funcionários, não repassar os recursos para as prefeituras, nas instituições de saúde eles fizeram a entregaram de diversos carros para as prefeituras mineiras, veículos que agora são alvos de mandados judiciais porque o governo Pimentel não pagou a fabricante, cujo contrato gira em torno de R$ 24 milhões”.

Líder da Minoria na ALMG, o deputado estadual Gustavo Valadares, foi reeleito

Líder da Minoria na ALMG, o deputado estadual Gustavo Valadares, foi reeleito para mais um mandato no último dia 7 de outubro, nas eleições gerais de 2018. Com 60.687 votos, Gustavo Valadares participará da 19º legislatura que terá início no dia 1º de fevereiro de 2019. O parlamentar foi votado em mais de 600 municípios mineiros de um total de 853, figurando como o 34º mais votado entre os 77 eleitos. Gustavo Valadares é formado em Direito pela PUC-MINAS, tem 41 anos, casado, pai de duas filhas é natural de Belo Horizonte. Na Assembleia Legislativa foi membro da Comissão de Constituição e Justiça, Comissão de Ética, Presidente da Comissão de Transportes e Obras Públicas, líder da Maioria, Líder da Minoria e membro efetivo da Comissão Extraordinária das Barragens.

 

Deputado Gustavo Valadares é escolhido membro da Comissão Extraordinária das Barragens

DEPUTADO GUSTAVO VALADARES É ESCOLHIDO MEMBRO DA COMISSÃO EXTRAORDINÁRIA DAS BARRAGENS

Valadares (PSDB) pediu celeridade na atuação da comissão e sugeriu que a agenda de trabalhos seja definida o quanto antes para a que a população tenha uma resposta rápida do poder público em relação ao ocorrido. Fonte: Portal almg.gov.br

Deputado Gustavo Valadares (PSDB-MG) cria projeto de lei que busca isenção de tarifa de energia elétrica em Minas.

Deputado Gustavo Valadares (PSDB-MG) cria projeto de lei que busca isenção de tarifa de energia elétrica em Minas.

O PL nº 2.812/2015 de autoria do Deputado Gustavo Valadares, propõe a isenção de tributos estaduais que incidem sobre a fatura de energia cobrada em função da bandeira tarifária. Cabe ressaltar que a isenção não afetará a arrecadação estadual, conforme explica a justificativa do projeto abaixo.

Valadares destaca ainda que sua proposta cobre uma lacuna do governo do PT em Minas que nada fez para evitar que os aumentos sucessivos de energia neste ano e a entrada em vigor das bandeiras fossem debitados nas costas dos cidadãos. Em 2015, os mineiros estão pagando 42,46% a mais pela energia da Cemig, percentual que pode subir para até 51% em virtude da bandeira vermelha.

No ano passado, durante a campanha eleitoral, o governador Fernando Pimentel criticava o valor do ICMS cobrado na conta de luz. Mas depois que assumiu o governo, ele não só sinalizou que não haverá redução do imposto como apoiou os aumentos de energia elétrica promovido pelo governo federal”, afirmou.

Créditos: Assessoria da Minoria na Assembleia Legislativa de Minas Gerais

image2015-09-03-133845-2-1 PL28122015